default-logo1
default-logo1
17
ABR
2019

Houve erro de comunicação em caso do aumento do diesel, diz Bento Albuquerque

Posted By :
Comments : Off

Fonte: Poder 360

O ministro do MME (Ministério de Minas e Energia), almirante Bento Albuquerque, disse nesta 3ª feira (16.abr.2019) que houve “1 erro de comunicação” na divulgação e na posterior suspensão do reajuste do preço do diesel na semana passada.

“Houve 1 erro de comunicação na apresentação desse índice de 5,7%. Estava voando para Roraima e quando pousei é que comecei a receber as informações. Entendo que o presidente, não estando informado e não tendo as pessoas para informá-lo exatamente do que estava ocorrendo, pediu esclarecimento. E é isso que vamos prestar a ele daqui a pouco”, disse.

A declaração foi dada durante seminário “Oportunidades do Setor de Óleo & Gás para o Brasil”, promovido pelo IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis) e o Poder360, no Brasília Palace Hotel, na capital federal. O evento, que foi acompanhado por 200 convidados, contou também com a presença de José Mucio Monteiro, presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), e de José Firmo, presidente do IBP.

Na última 5ª feira (11.abr), a Petrobras anunciou o aumento de 5,7% no preço médio do diesel. No entanto, o presidente Jair Bolsonaro interveio na decisão da estatal e o reajuste foi suspenso. No dia seguinte, a Petrobras perdeu R$ 32 bilhões em valor de mercado.

Questionado por jornalistas após o evento sobre quem cometeu o erro, o ministro disse que não está “apontando nem insinuando culpados”. “Foi o que disse, eu estava voando para Roraima, não pude assessorá-lo. Coisa que eu pretendo fazer agora.”

“SEM MUDANÇAS NA POLÍTICA DE PREÇOS”
Albuquerque estava indo para reunião convocada por Bolsonaro no Palácio do Planalto para tratar da política de preços da petroleira. Além dele, participarão os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia), Tarcísio Freitas (Infraestrutura), o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e o diretor geral da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), Décio Oddone.

O ministro descartou a possibilidade de mudanças na política de preços da Petrobras. “Nenhuma [mudança]”, respondeu ao ser questionado por jornalistas. Durante a sua fala, havia dito que “o mercado é livre e continuará sendo”.

No evento, o mediador do debate, o jornalista Alexandre Garcia, perguntou se Albuquerque poderia adiantar o que seria discutido na reunião com o presidente. Em resposta, brincou: “Eu até posso, mas teria que eliminá-lo”.

Para conter a pressão de caminheiros e evitar o risco de nova greve, o governo anunciou 1 pacote de medidas na manhã desta 3ª. Entre elas, estão a abertura de uma linha de crédito pelo BNDES e a liberação de R$ 2 bilhões para investimentos em estradas.

CESSÃO ONEROSA E LEILÃO DO EXCEDENTE
Bento Albuquerque destacou a importância do acordo fechado entre União e Petrobras na revisão do contrato na cessão onerosa. Na semana passada, o CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) definiu que o governo compensará a petroleira em US$ 9 bilhões e deu fim a 1 impasse que já se arrastava por 5 anos.

O acordo viabiliza a realização de 1 megaleilão do óleo excedente ao já negociado com a Petrobras, que, segundo o ministro, deverá ser realizado na data marcada, de 28 de outubro.

“Estamos nos empenhando para propiciar ambiente de confiança e transparência com propósito de garantir competitividade para os leilões programados, especialmente para o relativo à cessão onerosa”, disse.

O presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), José Mucio Monteiro demonstrou preocupação em relação ao calendário. A corte de contas é responsável por dar aval à realização do leilão, com potencial de arrecadação de R$ 100 bilhões.

O governo defende, por exemplo, que não há mais necessidade de aprovação de 1 projeto que referende o acordo entre União e Petrobras. Um projeto tramitava nesse sentido, mas travou no Senado. O entendimento da equipe econômica é que há necessidade de chancela do Congresso apenas para pagamento da Petrobras e divisão de recursos com Estados e municípios.

AGENDA PARA O SETOR DE GÁS EM 60 DIAS
Na chegada ao evento do Poder360 e do IBP, Bento Albuquerque afirmou que o gás será incluído na matriz energética brasileira e que o governo apresentará em 60 dias ao Congresso uma agenda para o setor.