default-logo1
default-logo1
24
JUN
2019

Descolado da ‘economia real’, risco país recua com cenário global e Previdência

Posted By :
Comments : Off

Fonte: Poder 360

Enquanto as previsões para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2019 são sucessivamente revisadas para baixo, o CDS (Credit Default Swap) –ou risco país, como é conhecido– tem refletido 1 otimismo com a economia brasileira.

No início do ano passado, o risco Brasil estava perto dos 160 pontos. Com a incerteza eleitoral, superou os 300 pontos em agosto. Após a eleição de Jair Bolsonaro, investidores passaram a apostar no andamento de uma agenda de reformas e o indicador recuou. No início deste ano, estava a 207 pontos. Agora, caiu para casa dos 150 pontos.

Ao mesmo tempo, os indicadores da “economia real” não tem apontado na mesma direção. Analistas de mercado consultados no Boletim Focus, por exemplo, revisaram nesta semana sua expectativa para o crescimento do país para 0,9%. No início do ano, esperavam 2,5%. O desemprego continua em patamares elevados, setores econômicos estão patinando e índices de confiança não têm subido.

“O resultado do CDS acaba mostrando uma visão oposta a que vemos na atividade econômica ‘real’, que está com viés negativo”, disse o pesquisador da área de Economia Aplicada do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia) da FGV (Fundação Getulio Vargas) Marcel Balassiano.

O QUE EXPLICA A QUEDA

Economistas consultados pelo Poder360 explicam que tanto fatores externos quanto internos influenciam a queda do risco país neste ano.

Diretor da corretora Mirae Asset, Pablo Spyer destaca que o recuo não foi observado apenas no Brasil, mas também em outros países emergentes. “Foi 1 movimento mundial. Nesta semana, o Fed [BC norte-americano] abriu caminho para 1 corte de juros pela 1ª vez desde 2007/2008, o que é positivo para esses países. Isso impactou também o Ibovespa, que chegou a 100 mil pontos.”

No contexto local, há ainda a forte expectativa em relação à reforma da Previdência. Para Leonardo Costa, economista da Rosenberg Associados, embora o cenário tenha se tornado mais favorável para os emergentes neste ano, a melhora foi mais significativa no Brasil. “Há uma expectativa de equalização fiscal no médio prazo com a aposta na reforma”, disse.

Encaminhada em fevereiro pelo governo, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da Previdência ficou parada na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara por 2 meses. Na semana passada, o relator da comissão especial, Samuel Moreira (PSDB-SP), apresentou seu parecer, com economia prevista de R$ 863 bilhões em 10 anos –dentro das estimativas do mercado. Há a expectativa, agora, de que o texto seja votado já na próxima semana na comissão.

“A atividade está muito fraca, o desemprego está alto, mas há sinais cada vez mais claros de que a reforma da Previdência será aprovada. Isso aumenta o viés positivo”, explica Balassiano.

O pesquisador destaca, no entanto, que, assim como ocorre com variáveis como Bolsa e câmbio, o comportamento do risco Brasil é fortemente volátil e “calcado nas expectativas”. Assim, uma queda mais sólida dos números depende de uma agenda de retomada econômica, que, para investidores, inclui, entre outros pontos, a aprovação da reforma da Previdência.