default-logo1
default-logo1
12
AGO
2016

Sindigás Entrevista: Adriana Gioda – PUC-Rio

Posted By :
Comments : Off

Fonte: Sindigás

Indoor Pollution: Gás LP é opção mais segura e sustentável para cocção

A especialista Adriana Gioda, da PUC-Rio, apresentou este mês, no congresso Indoor Air, em Ghent, na Bélgica, o trabalho Firewood use for residential purposes in Brazil: a case study. Os resultados do trabalho apontam que o Gás LP é o energético mais usado para a cocção.

“Qualquer tipo de combustível usado para fogões, aquecedores, lareiras e churrasqueiras, por exemplo, gera poluição”, alerta Gioda. Ela explica que o Gás LP, como os demais combustíveis, gera uma determinada carga de poluentes, pelo fato de dificilmente ocorrer a queima completa. No entanto, o Gás LP tem como vantagem o fato de gerar poucas partículas, consideradas as grandes vilãs do uso de combustível para cocção por serem as principais responsáveis pelas mortes prematuras.

Você apresentou um trabalho sobre Indoor Pollution na Bélgica. Poderia destacar os principais pontos abordados nesse trabalho?

Apresentei o trabalho Firewood use for residential purposes in Brazil: a case study, que está baseado no primeiro relatório feito ao Sindigás. Nesse trabalho foi discutido o uso da lenha no Brasil, utilizando dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério de Minas e Energia. Os resultados desses levantamentos indicam que o Gás LP é o mais usado para a cocção. A lenha ocupa o segundo lugar e é ainda muito usada no país por milhões de famílias, principalmente nas áreas mais pobres. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 4,3 milhões de pessoas morrem prematuramente no mundo devido ao uso da lenha e outros combustíveis sólidos queimados de forma inadequada. Por isso, a preocupação com o uso desses combustíveis.

O congresso Indoor Air ocorre a cada dois anos, em diferentes cidades. Este ano foi em Ghent, na Bélgica, de 3 a 8 julho. O congresso apresentou diversas sessões que abordam as mais diferentes áreas relativas à poluição interna: poluição química, microbiológica, conforto térmico, políticas, ventilação, novos produtos, simulações, modelagem, efeitos na saúde etc. O trabalho foi apresentado em uma sessão chamada “Cooking/burning”, onde outros trabalhos similares, com o uso de lenha em diversos países, foram apresentados.

Atualmente qual é o nível de poluição química no ar de interiores no Brasil? O que pode ser feito a respeito?

Com relação ao uso da lenha, não há registros de estudos que avaliem os poluentes gerados pela queima no país. Existem, no entanto, trabalhos em escolas, residências, escritórios etc. Mas, considerando o tamanho do país e as diferenças regionais em relação a clima e economia, não é possível traçar um perfil de poluição. Muitos estudos devem ser realizados para se ter essa informação. Sem contar que os níveis de poluentes variam de um ambiente para outro, dependendo das fontes internas e externas.

São inúmeras as fontes de poluentes em ambientes internos. Poderia citar algumas delas?

Qualquer tipo de combustível usado para fogões, aquecedores, lareiras e churrasqueiras, por exemplo, gera poluição. Dependendo do combustível vai emitir uma maior quantidade de poluentes. A cocção, por si só, também é uma fonte. Além disso, materiais de construção e acabamento, tintas, impressoras, materiais de limpeza e higiene, cigarros, além das fontes externas que penetram nos ambientes fechados.

Quais são os benefícios do uso do Gás LP como gerador de energia em residências e estabelecimentos comerciais?

O Gás LP, como os demais combustíveis, gera uma determinada carga de poluentes, pelo fato de dificilmente ocorrer a queima completa. No entanto, o Gás LP tem como vantagem o fato de gerar poucas partículas, consideradas as grandes vilãs do uso de combustível para cocção, pois são as principais responsáveis pelas mortes prematuras.